Momento para o seguro de crédito à exportação

ExportCredit

 

O Brasil exporta aproximadamente US$ 200 bilhões por ano em diversos tipos de produtos e mercadorias.  Os principais destinos são, pela ordem, China, Estados Unidos, Argentina, Países Baixos e Alemanha. Atualmente, empresas de todos os tamanhos e setores buscam o mercado externo para expandir seus negócios.

Para participar do comércio internacional, a empresa precisa oferecer crédito e prazo. São muito poucos exportadores que conseguem vender com pagamento antecipado ou à vista, a maioria das vendas é feita de forma financiada ou com a garantia de carta de crédito, o que requer uma avaliação criteriosa dos compradores estrangeiros. Diante desse cenário, a proteção securitária se torna imprescindível, e para atender essa necessidade, o mercado oferece o Seguro de Crédito à Exportação (SCE), que pode ser contratado pelo exportador ou pela instituição financeira que amparar a exportação.

O SCE possibilita assegurar os recebíveis da empresa que vendeu seus produtos no mercado externo contra inadimplência. O seguro garante ao exportador a indenização por perdas líquidas definitivas, em consequência do não recebimento de crédito concedido ao importador, no exterior. Serve também como instrumento de prevenção e incentivo para prospecção de novos clientes e novos mercados, e ainda como ferramenta de cobrança.

As coberturas previstas no SCE são contra os riscos comerciais, políticos e extraordinários a que estão sujeitas as transações comerciais e financeiras vinculadas às exportações. Os riscos comerciais são caracterizados por falência, concordata e mora simples, e os riscos políticos ou extraordinários, por atos governamentais do país importador ou por eventos específicos que impeçam a transferência do pagamento (moratória, guerra, confisco, denúncia unilateral do contrato, interrupção de intercâmbio comercial, etc).

A análise de crédito é baseada em toda a carteira do segurado (exportador), considerando o histórico do cliente junto ao segurado, seu potencial futuro de compra e sua situação econômica e financeira. Após a aprovação do crédito, a seguradora fixa limite individual de risco para as empresas listadas em sua apólice, e durante toda a vigência do contrato monitora os clientes, e qualquer alteração cadastral, econômica ou financeira poderá ser detectada e comunicada ao segurado.

Com a proteção securitária, o exportador terá maior flexibilidade e limitação das perdas por inadimplência, o que possibilitará assumir mais riscos e iniciar novos relacionamentos comerciais. Poderá ainda, negociar com os bancos o desconto antecipado de recebíveis e ampliação de linhas de financiamento.

Por melhor que seja o cliente, sempre existe a possibilidade de ocorrer imprevistos no país do comprador que possa impossibilitar o pagamento do valor negociado. Os riscos para operar no comércio exterior são elevados, e um negócio aparentemente lucrativo pode transformar-se em prejuízo para o exportador quando há influências politicas e econômicas  internacionais. Dessa forma, o seguro de crédito à exportação é em um excelente investimento para os exportadores brasileiros competirem internacionalmente.

Aparecido Mendes Rocha, especialista em seguros internacionais

Quer fazer algum comentário ou pergunta?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s